Áreas de Atuação

DESAFIOS
O aquecimento do planeta é consequência das atividades humanas que consomem combustíveis fósseis e emitem dióxido de carbono e outros gases responsáveis pelo efeito estufa.
VEJA MAIS

VISÃO

A visão do iCS é um Brasil próspero e justo liderando a transição para 1,5°C.
Leia Mais

FUTURO

Um futuro melhor depende basicamente das escolhas da sociedade. O iCS trabalha para que decisões sejam feitas rumo a um modelo de desenvolvimento próspero e de baixo carbono.
Entenda como

Portfolios

A mudança de uso da terra (desmatamento) e a agricultura eram, até 2013, os principais produtores das emissões brasileiras. As emissões de energia já alcançaram o nível da mudança de uso da terra e é preciso cuidar para que, no futuro, essas emissões não se tornem mais perigosas.

Um futuro melhor e de baixo carbono depende basicamente das escolhas da sociedade e das decisões políticas sobre o modelo de desenvolvimento adotado, principalmente no que diz respeito à matriz energética, à organização das cidades e dos meios de transporte e dos nossos modelos de produção e consumo. Ciente deste cenário, o iCS foca suas ações nas seguintes áreas:

ECONOMIA DE BAIXO CARBONO

INICIATIVAS: Gerar evidências que apoiem a tomada de decisões rumo a uma economia de baixo carbono; Redirecionar investimentos e subsídios para a economia de baixo carbono; Ampliar a oferta de projetos de economia de baixo carbono

ENERGIA

INICIATIVAS: Democratização e descentralização do setor elétrico; Novas energias renováveis: energia solar, eólica e biomassa; Eficiência Energética, Geração Distribuída e Smart Grid.

TRANSPORTE

INICIATIVAS: Apoiar a sociedade civil e política de mobilidade; finanças e economia do transporte; tecnologia de transporte, qualidade do ar e saúde.

POLÍTICA CLIMÁTICA E ENGAJAMENTO

INICIATIVAS: Fomentar a ambição climática e a implementação da NDC; Engajar uma gama de atores no tema climático.

Projetos

PROJETO KIGALI

Em 2017, iCS tornou-se a agência responsável pela implantação, no Brasil, do Projeto Kigali, cujo objetivo principal é contribuir para o estabelecimento do estado da arte das políticas de eficiência energética no setor de ar condicionado no Brasil, alinhadas com a introdução de gases refrigerantes de baixo GWP, como forma de fazer avançar a eficiência energética e a mitigação de GEE.

Para tanto, o projeto foi estruturado em quatro componentes:

  • Incentivar um Plano Nacional de Eficiência Energética alinhado com o Programa do Protocolo de Montreal;
  • Trabalhar para o avanço dos níveis mínimos de eficiência energética, etiquetagem e demais programas relativos ao setor de ar condicionado;
  • Contribuir para o melhoramento da eficiência energética do setor de compressores;
  • Alavancar o financiamento para o suporte à transformação do mercado de condicionares de ar.

O Projeto Kigali conta com o apoio do Kigali Cooling Efficiency Program (KCEP), instituído por um grupo de fundações filantrópicas internacionais com o objetivo de antecipar o atendimento das metas da Emenda de Kigali ao Protocolo de Montreal. Mais informações: http://www.k-cep.org/about-us/.

Doações Aprovadas

Sumário

RETROSPECTIVA: GRANTS – (Milhares BRL e Número de Grants)

ANÁLISE DOS GRANTS iCS – 2016

Valores por Portfolio e Grants por Portfolio

Lista de Organizações Apoiadas (Grantees)