COPPETEC

Preparação do Projeto IES-BRASIL 2050

  • Organização: COPPETEC IES – Fundação Coordenação de Projetos, Pesquisas e Estudos Tecnológicos
  • Estratégia: Política Climática
  • Valor USD: $ 140.000
  • Ano/Duração: 2015 – 7 meses

Resumo

Esta concessão irá apoiar a preparação de uma segunda fase do IES-Brasil (http://www.forumclima.org.br/pt/ies-brasil/sobre), um modelo que desenvolve cenários de mitigação das emissões de gases do efeito estufa (GEE) com foco nas implicações sociais e econômicas. Após ter um processo bem interessante para construir e validar os cenários de 2030, o time da IES-Brasil precisa introduzir as mudanças necessárias para fortalecer e extender o exercício de modelagem do cenário para 2050. As mudanças não são simples e envolvem transformar a dinâmica do modelo e incluir um conjunto de tecnologias que serão factíveis a longo prazo. Este exercício tem de refletir um balanço entre visões estratégicas e avaliações realísticas.

O projeto irá modelar cenários de emissões até 2050, com o objetivo de providenciar entradas para adoção de caminhos mais ambiciosos de baixo carbono e facilitar o tempo de formulação dos planos de mitigação. Os resultados irão fornecer suporte para o governo brasileiro desenvolver políticas neste campo, assim como providenciar orientação para as ações das partes interessadas.

O time técnico incluso nesse projeto esteve envolvido na preparação técnica e na implementação do projeto IES-Brasil 2030. O time identificou os ajustes necessários e melhorias na modelagem de ferramentas devido a especificidade dos cenários de 2050 e tem a capacidade de implementá-los no tempo proposto


Resultados / Objetivos / Atividades

Esse projeto possui quatro objetos principais:

  1. 
O primeiro é ter o modelo IMACLIM-BR pronto para tratar a longo prazo (2050). Isso significa que será preciso fazer projeções dinâmicas tendo um cenário macroeconômico de referência consistente e ser capaz de incluir novas tecnologias e links com modelos setoriais.
  2. O segundo objetivo é ajustar os modelos setoriais (Floresta/Agricultura, Energia, Transporte, Indústria, Lixo) para tratar a longo prazo (2050) e incluir novas tecnologias. Para esse propósito, uma seleção de tecnologias de baixo carbono e ajustes para modelos setoriais devem ser feitos.
  3. O terceiro objetivo é revisar a literatura internacional e selecionar tecnologias de mitigação interessantes para o contexto brasileiro.
  4. O quarto objetivo é levantar fundos e realizar pelo menos dois workshops sobre tecnologias de mitigação relevantes com as partes interessadas (membros potenciais do Time de Construção de Cenário da IES Brasil 2050 – TCC).